Colaboradores Entre em contato Anúncio Mapa do Site
Seja Sinta Faça Ame Crie Saiba Conecte

Terremotos e tsunamis...

Marcos Thiele
Engenheiro de produção formado pela Escola Politécnica da USP, e mestre em administração stricto sensu pela Faculdade de Economia e Administração da USP. É formado pelo Curso de Formação de Consultores da Adigo, e pelo Programa de Formação de Coaches do Instituto Ecosocial, sendo membro do ICF.
E assim, com apenas um leve trejeito, o planeta deixa o recado pregado na consciência de todos que tem olhos para ver: impermanência.

Por mais que queiramos concretar nossos bons dias, planos e momentos em uma rígida ponte estruturada até o futuro longínquo, cada soluço é uma lembrança sutil de que a realidade simplesmente não funciona desta maneira.

Nos momentos seguintes ao terremoto surgiram comentários sobre os possíveis impactos na bolsa de Tóquio. Inacreditável como precisamos imediatamente retomar todos os parâmetros de referência de uma coletividade de “eus” ignorantes, parâmetros sem os quais não conseguimos ler nosso próprio RG.

Pequenos contratempos do dia a dia nos passam esta mensagem: não conseguir chegar àquele encontro importante por conta do trânsito, não alcançar aquela promoção como planejado... O corpo e a natureza gritam isto o tempo todo: o decaimento do corpo, perder os cabelos!... Outros sofrimentos maiores tendem a trazer alertas mais fortes como a morte de um ente querido, uma doença séria.

Porém, um desastre das proporções do terremoto e do tsunami no Japão nos coloca de joelhos em uma casquinha bem fininha em um aglomerado de matéria de núcleo imensamente quente, que se move a uma velocidade estúpida, parte da rabeira de uma galáxia também em movimento que navega no vazio do universo que não sonhamos conhecer.

A imensidão do todo e a impotência do um ficam estampadas, reduzem a pó a crença de controle e permanência dos minúsculos “eus”. Nos momentos seguintes ao terremoto surgiram comentários sobre os possíveis impactos na bolsa de Tóquio. Inacreditável como precisamos imediatamente retomar todos os parâmetros de referência de uma coletividade de “eus” ignorantes, parâmetros sem os quais não conseguimos ler nosso próprio RG.

Assim, como crianças mimadas que não se conformam com o fim das férias, não aceitamos aceitar a realidade. Preferimos negá-la em troca de um controle firme e ditatorial que exercemos sobre nossa própria ignorância. Porque de fato somos donos de uma coisa apenas nesta existência: do vasto latifúndio de nossa ignorância.

A crença desesperada no controle de nossos atos, de nossas famosas decisões, de que somos nós que escolhemos o caminho que seguimos, é simplesmente um truque deste indivíduo “eu” que precisa atestar sua própria e falsa idéia de existência contínua. Tentar nos segurar nos pilares do “eu” nos dá a falsa sensação de permanência; a mesma sensação de firmeza que os moradores do vilarejo portuário de Minamisanriku tinham acerca de suas casas, até observarem o tsunami levá-las como barcos de papel.

E, como sabemos, ou muitas vezes veladamente intuímos, o tsunami da consciência sempre chega.
Ter conhecimento, compreender. Ser capaz de realizar. Conhecer, dominar. Sabedoria.
Newsletter
Cadastre-se e receba as novidades e convites
Apoio Mapfre Hara Spa Faça Parte Marcia de Luca
L'AURA
colaboradores
imprensa
POLÍTICA
privacidade
termos e condições de uso
DESCOBRIR
facebook
twitter
youtube
orkut
ANÚNCIOS
oportunidade de publicidade
AJUDA
entre em contato
RSS - Assine
RSS L'AURA
assine
Facebook Twitter Youtube Orkut
Português, Brasil ©2012 L'AURA Powered by Link e Cérebro